Camila Morita e a arqueologia dos sonhos

Camila Morita: registros visuais de uma arqueologia de sonhos Foto: André Yamamoto

Camila Morita, artista plástica formada em arquitetura e cenografia, integrante do Coletivo SEMO, apresenta sua exposição individual “Quando Durmo” durante o mês de Agosto, na Livraria Cultura do Shopping Market Place, no Morumbi, em São Paulo.

Sua arte consiste em acrílica sobre tela e madeira, e, também, gravuras em fotocópia e aquarela. Alguns de seus trabalhos já foram expostos também no exterior, em países como Polônia, Colômbia e República Tcheca.

Nesta exposição, todas as obras são inéditas e partem de uma situação. “Quando Durmo” nos remete a uma dimensão possível a todos, a de sonhar e a de se permitir estranhas visões fora do contexto da realidade, mas que poucos se permitem registrar. Camila Morita resgata estes momentos oníricos e traduz suas percepções e memórias dos sonhos em imagens. Lá ela revela os labirintos de suas dimensões mais íntimas e a arquitetura de uma nostalgia por algo que lhe escapa na vida real.

Os sonhos desta moça natural de São José dos Campos, interior de São Paulo, tem uma narrativa poética pautada por um erotismo em busca de sua alteridade. Trata-se de um eros à procura de sua continuidade perdida. O desejo de algo que lhe escapa, e que talvez, tenha lhe pertencido e que, pelas fatalidades do destino, foi lhe subtraído. O olhar de uma protagonista, uma moça (talvez ela mesma, a autora), é instigante,  com o foco para o infinito e cumplicidade com algumas cabeças de animais. São olhares que revelam dúvidas e incertezas, mas ao mesmo tempo, uma leveza de quem está em sintonia com os devires e pronta para as metamorfoses da vida.

Nas doze telas (todas medindo 1m x 1m, preços variando de R$ 2.900,00 a R$ 3.200,00), assim como nos sonhos, não há uma narrativa linear. No meio de um caos, porém, é possível encontrar um veio de onde brotam o gozo, as inquietações e inseguranças em atmosferas quase sempre sem chão, o que, na prática, antes de expressarem levitações, denotam a fragilidade de situações sem a força da gravidade.

E é exatamente neste campo dos sonhos, nesse garimpo arqueológico, que Camila Morita fareja encontrar a alteridade perdida.

 *

Serviço:

Mostra “Quando Durmo” – sobre alguns sonhos  de 1º à 31 de Agosto de 2012

Livraria Cultura – Shop. Market Place  Av. Dr. Chucri Zaidan, 902   Vila Cordeiro, São Paulo – SP  Tel.: (11) 3474-4033

de Seg à Sáb – 10h00 às 22h00  |  Dom – 14h00 às 20h00

Fotos das obras: André Yamamoto | divulgação

0Shares