Japan Foundation Prize para Sankaijuku

A homenagem é mais do que merecida. Divulgando a arte do butô pelos quatro cantos do planeta há mais de 30 anos, o grupo Sankaijuku, criado e liderado pelo coreógrafo Amagatsu Ushio consolida uma das artes do corpo do Japão mais reconhecidas no ocidente.

O grupo Sankaijuku foi criado em 1975 e já se apresentou em mais de 700 cidades, espalhados por 45 países no mundo. No Brasil já estiveram em cinco ocasiões, trazendo sempre um novo e sutil sopro na dança.

Amagatsu Ushio

 

Pintura de LUIS ALVAREZ TOREZANO

Amagatsu é o diretor do grupo, coreógrafo, criador do ambiente cênico e também atua como um dos dançarinos. Sua formação é de dança clássica e depois migrou para a dança moderna, até assumir a segunda onda do butô, um estilo de dança desenvolvido no Japão. Segundo Amagatsu, o butô é “um diálogo com a gravidade”, enquanto as outras formas de dança tendem a se distanciar da gravidade. O butô do Sankaijuku é uma constante busca de uma sincronia com as forças gravitacionais do universo.

O Butô foi originário dos movimentos de vanguarda dos anos 60, um período dominado por reminiscências do  bombardeio atômico em Hiroshima e Nagasaki. Em sua forma original, a dança recebeu o rótulo de “Ankoku Buto”, ou dança das trevas, caracterizado pela criação de um universo profundamente perverso no palco. A obra de Amagatsu, apesar de originar-se neste formato da escuridão, cria uma elevação espiritual que o distinguiu desse movimento.

O termo Sankaijuku significa “atelier da montanha e do mar”. Amagatsu procura expressar neste nome, a serenidade que vem da natureza. Todos os dançarinos do Sankaijuku, assim como vários outros do butô, exibem cabeças totalmente raspadas e corpos pintados de branco, como que anulando o erotismo físico e alcançando dimensões etéreas. Os movimentos são lentos, hipnotizantes, por vezes cíclicas e rejeitam qualquer referência à dança moderna ocidental. Dor e silêncio são parâmetros frequentemente utilizados na coreografia, com expressões faciais e movimentos nos dedos, quase imperceptíveis à distância.

Receberam o reconhecimento em diversos festivais internacionais como o Grande Prêmio no Festival Internacional de Teatro em Belgrado (1982), o prêmio Laurence Olivier de Melhor Nova Produção em Dança, em 2002, e o Kirin Special Grant for Dance, em 2007.

A Japan Foundation, que premia anualmente, personalidades culturais de relevância internacional outorga no ano de 2013 a Japan Foundation Prize, para Sankaijuku. A cerimônia acontece no dia 15 de Outubro, no Hotel Okura em Tokyo.

Site do Sankaijuku: http://www.sankaijuku.com/

Como conter as emoções neste momento de agradecimento do grupo pelas ovações após a apresentação?

 

0Shares