Um polo gastronômico no meio do arrozal

Artigo originalmente produzido para a Revista Hashitag. 
Texto: Jo Takahashi    Fotos: Keisuke irie e Jo Takahashi 

Percorrendo os caminhos de terra que separam plantações no vilarejo agrícola de Kawaba , província de Gunma, encontramos de um lado extensos arrozais, já devidamente cortados, e de outro, uma infinidade de pequenos pomares que dão frutos abundantes no outono: caquis e maçãs majestosos e cachos soberbos de uva. Incrível como estes frutos parecem permanecer intactos até o momento certo da colheita, sem serem molestados por transeuntes que queiram, eventualmente, abreviar seu crescimento para dar uma mordida, estejam verdes ou maduros. Não, isso jamais acontece, mesmo que esses pomares nem cercado tenham. Estamos em uma remota área rural do Japão, onde a comunidade é unida e cada um respeita a propriedade e a colheita alheia.

O amanhecer silencioso em Kawaba-mura (foto: Keisuke Irie)
Água cristalina que brota na montanha (foto: Keisuke Irie)

Kawaba-mura é um vilarejo agrícola típico desse remoto Japão, e fica quase no centrão do Japão. Sua minúscula população, de 3.500 habitantes é composta basicamente de agricultores. Há um núcleo importante em Kawaba-mura, que é a fábrica da Nagai Sake, presidida por Noriyoshi Nagai, sexta geração desde a fundação da marca e descendente direto de samurais. Abençoada pela água cristalina que brota do imponente monte Hotaka, com 2.150 metros de altura, este saquê criou toda uma cultura ecológica na região. Nagai é um dos grandes defensores das matas, rico celeiro das nascentes de uma das águas mais puras do planeta.   Esta água, chamada de miya-mizu (宮水), ou água sagrada, confere a qualidade e a pureza dos saquês artesanais produzidos na região. Nagai está adquirindo as matas para assegurar que nenhuma especulação imobiliária ou até uma exploração comercial da natureza prejudique essa qualidade da água.

Noriyoshi Nagai exibe um dos rótulos de sua produção (foto: Keisuke Irie)

 

As iniciativas da família se estendem também para os agricultores. Seu irmão mais velho, Shoichi Nagai é presidente do Kawaba Den-en Plaza (川場田園プラザ), um parque temático de hortifrútis e também um centro gastronônimo para onde pessoas da região e até de Tokyo acorrem nos finais de semana, em busca de frutas e verduras fresquíssimas, praticamente colhidas na hora dos pomares e hortas, também irrigadas por estas águas abençoadas.

O Den-En Plaza funciona em regime de cooperativa. Os pequenos produtores se associam ao Plaza e ficam com o direito de fornecer os seus produtos. Eles são vendidos nas gôndolas, como em um super mercado, mas recebem um código de barra quando são postos para a venda. Quando o caixa der baixa nas últimas três unidades do produto, um aplicativo avisa o produtor pelo celular automaticamente e ele corre para repor o estoque. Tudo muito eficiente.

Acelgas que acabaram de ser colhidas, do produtor para a gôndola em menos de meia hora (Foto: Jo Takahashi) 
Frutas da estação. No outono: kiwi, caqui, maçã e uva a preços bem em conta, também direto do pomar Foto: Jo Takahashi 

O parque ainda possui pavilhões gastronômicos dedicados ao pão, à pizza, ao soba, à cerveja artesanal, ao café, e um steak house, que servem comidas e bebidas preparadas com insumos colhidos na própria região. Uma das atrações mais peculiares é o Kawabanchi, um charmoso café que serve oniguiris preparados com o arroz premium Koshihikari colhido nos arrozais que circundam o parque. Eles oferecem cinco recheios. E como o arroz ocupa boa parte da produção agrícola do local, tem até pão feito com farinha de arroz. Na fábrica de pães, que produz mais de 50 tipos de pães, a atração são os pães feitos com a farinha do arroz Koshihikari, que resultam mais fofos e macios que os pães tradicionais de farinha de trigo.

Ah, e laranjas também !! (Foto: Jo Takahashi) 

E para incrementar ainda mais a estadia do turista, há um inusitado hotel que oferece banhos termais e passeio num trem Maria Fumaça do século 19, uma das três ainda ativas no Japão. A pequena estação fica dentro do próprio hotel e é possível acompanhar suas partidas e chegadas com o toque do sino acionado pelo maquinista. Há opção também apenas para banho sem estadia, ideal para os turistas que praticam trecking pelas montanhas, ou ainda esqui durante o inverno.

Fábrica de pães. Uma infinidade de tipos de pães saindo a cada meia hora. Foto: Jo Takahashi
Foto: divulgação

Apesar da pequena infra-estrutura, a comunidade de Kawaba-mura dá uma grande lição de sustentabilidade, mostrando ao mundo como é possível preservar a natureza e desenvolver turismo rural e ecoturismo, que dão retorno pleno aos moradores e garantem a eles uma qualidade de vida.

Mapa do Den-En Plaza: fábrica de cerveja artesanal, padaria orgânica, restaurante e produtora de macarrão soba, udon, cafeteria, pizzaria artesanal, tudo em um ambiente natural.

Acesso até Kawaba-mura a partir de Tokyo:

  • Da estação central de Tokyo pegar o trem bala (Jôetsu Shinkansen), com destino a Niigata. Descer na estação Jomo Kogen. Daí de taxi, são 30 minutos. Este é o trajeto mais rápido.
  • Da estação central de Tokyo, pelo trem comum da Japan Rail, linha Jôetsu, com destino a Niigata. Descer na estação Numata, e daí de ônibus, por 30 minutos. Este é o trajeto mais econômico
Em novembro as folhas ganham colorido vibrante, que vai do amarelo ao vermelho intenso. (Foto: Jo Takahashi) 

Jojoscope viajou a convite da Japan Rice and Rice Industry Export Promotion Association, em projeto realizado pela SPAZIO IDEA Co.,Ltd. e coordenado, na parte brasileira por Alexandre Iida. 

134Shares