Festival Gastronômico no Intercontinental

São poucos dias (só até sábado, dia 12!), então é bom se programar rapidinho.

Tempurás como esse você não vai encontrar tão fácil por aqui. Sequinho e crocante. Camarão, ervilha, e uma inusitada pimenta dedo de moça, que também ficou ótima com a massa de tempura.

O Festival Gastronômico Japonês, assinado pelos chefs Seki e Nonobe, ambos do Yokohama Grand Intercontinental, oferece um amplo panorama do melhor da culinária japonesa, passeando por sushis e sashimis, noodles, gohan-mono (as preparações com arroz), nabemono (as paneladas), frituras e grelhados.

Chefs japoneses e brasileiros: comemorando o primeiro dia da jornada

Na apresentação para a imprensa e para o empresariado no dia 7, os chefs destacaram a importância da utilização de produtos autênticos para a obtenção do verdadeiro sabor da culinária japonesa. Chef Seki nos confidenciou que trouxe aproximadamente 120 quilos em insumos e temperos que não seriam encontrados por aqui. A quantidade foi dimensionada para sete refeições para um público estimado de cem comensais para cada refeição.

Buta no Kakuni: pancetas crocantes por fora e macias por dentro.

No buffet de apresentação não desfilaram todos os itens que serão oferecidos nos jantares, que irá consistir de 45 itens. No entanto foi uma amostra bastante abrangente, que destacou a importância do caldo essencial dashi, especialmente no delicado chawan-mushi (flan de ovos).

Chawan mushi com bom caldo dashi, aqui servido em xícaras

O tempurá em buffet perde a crocância quando exposto por longo tempo, mesmo sobre o réchaud. É provável que durante o Festival, as frituras sejam oferecidas aos poucos, e repostas com constância. Não é novidade para quem já conhece, mas para degustar essa crocância em sua plenitude, é aconselhável não molhar o tempurá no caldo, mas espalhar um pouco de sal. No caso, os chefs apresentam duas opções: o sal de sakurá (uma novidade por aqui) e o sal de yuzu (delicadamente perfumado com o cítrico).

Quanto aos sushis, foi apresentada a versão temari, com robalo, atum, salmão marinado, vieira e shiitake temperado crocante.

Seleção de niguirizushi
Chasoba, macarrão de trigo sarraceno e chá verde, envolto com alga nori. Fica parecido com um Futomaki, mas sem o tempero avinagrado do arroz.

A chef Telma Shimizu, do restaurante Aizomê, foi lá em busca de referências para o seu trabalho, especialmente nos temperos e sabores e ficou impressionada com o sal de yuzu e o de sakura. “Dão um toque especial na comida”, revelou. Também notou que os pratos que tinham o dashi como base estavam realmente saborosos e “repletos de umami” (o quinto gosto e a quintessência da culinária japonesa). É o caso do chawan mushi, com ótima textura. A chef Telma ainda pretende voltar para saborear o Festival, pois ela acredita que o caldo tsuyu para os noodles, como o sobá e o somen, devem estar no ponto, uma vez que os chefs mostram preocupação com o preparo tradicional. A chef também notou que o molho tonkatsu servido para os empanados foram preparados artesanalmente, e ficaram mesmo iguais aos que ela provou no Japão, longe das versões industrializadas. O único senão ficou por conta da sobremesa servida, uma mousse de chá verde com amêndoas, “muito doce para os padrões japoneses” segundo a chef, talvez uma concessão para o paladar brasileiro.

O tal do sal. Da flor de cerejeira, à esquerda, e o de yuzu. Refinamento.

No quesito bebidas, oferecidas pela Tozan e Kirin, foram servidos o saquê Azuma Kirin Nama, e a cerveja Itiban.

Cerveja Itiban da Kirin é um dos destaques do Festival.

No final, a patrocinadora do evento, Etihad Airways sorteou um par de passagens aéreas com destino aberto para qualquer ponto que a companhia voa, na Ásia, Austrália ou Oriente Médio. A vencedora foi a chef Telma Shimizu !

Chef Telma Shimizu recebendo a passagem da Etihad.

Para nós, resta o consolo de saborear o Festival, até sábado.

Veja o cardápio do buffet oferecido nesta matéria.

Da esq. para a dir.: senhor Fujiyoshi Hirata, secretário executivo da Câmara de Comércio e Indústria Japonesa no Brasil, Akemi Matsuda, a embaixadora Kawaii no Brasil, Katia Miyada, coordenando o evento pela Intercontinental de São Paulo, os chefs Seki e Nonobe e Jo Takahashi, Jojoscope.
Tudo pronto pra começar ! Barril de saquê, oferecimento da Azuma Kirin, com os tradicionais martelinhos para o ritual do Kagami Biraki.

Serviço:

II Festival Gastronômico Japonês no InterContinental São Paulo

  • Datal: 08 a 12 de abril de 2014 Horário: a partir das 20h (12 de Abril almoço a partir do meio dia)
  • Valor: R$ 110,00 por pessoa inclui uma dose de saquê ou uma cerveja Ichiban
  • Local: Restaurante Tarsila –  InterContinental São Paulo
  • Endereço: Al. Santos, 1123, Jardins São Paulo. Estacionamento com manobrista
  • Informações e reservas pelo número (11) 3179-2555

Fotos: Nina Takahashi

 

0Shares