Flutuações: novo espetáculo do Grupo Contadores de Estórias

O Grupo Contadores de Estórias, fundado por Marcos e Rachel Ribas completa 40 anos de atividades. Com sede em Paraty, difunde um teatro de bonecos voltado para o público adulto. Neste novo espetáculo, o grupo se inspira nas gravuras japonesas.

O mundo bidimensional das gravuras Ukiyo-ê ganham tridimensionalidade e dramaticidade em Flutuações.

Flutuações é um espetáculo para adultos, sem palavras, que teve como fonte de inspiração os famosos Ukiyo-e, as xilogravuras japonesas do período Edo, meados do século XVIII até meados do século XIX e situações coletadas pelo Grupo pelas ruas da cidade de Paraty, onde se encontra a sede da companhia.

Foram diversas excursões, com lápis, papel, olho vivo e câmera na mão, estudando, registrando e fotografando no sol e na chuva, pessoas em situações do dia a dia da cidade, para compor os “retratos” que formam a base do espetáculo.

Flutuações - “Cenas do cotidiano tecidas em cores suaves e tons pastel. De permeio, um lenço vermelho, um guarda chuva amarelo, um moço garboso e um romance, macio e carinhoso... Imagens de um mundo flutuante. Momentos vagando no ar.” Marcos Caetano Ribas

As cenas, extraídas destas gravuras e destes retratos do cotidiano, fazem com que bonecos e atores bailarinos saltem das figuras bidimensionais, flutuando para fora do papel, e criando uma terceira dimensão.

24º espetáculo do Grupo Contadores de Estórias, Flutuações reúne elementos que já se tornaram a marca do grupo: os bonecos pequenos e quase vivos; a ausência de texto; a movimentação coreografada de bonecos e atores bailarinos e a temática poética que transforma o espetáculo em uma seqüência de hai-kais cênicos.

 


Flutuações – Ficha Técnica:

  •  Concepção e Direção: Marcos Caetano Ribas
  • Bonecos e adereços: Rachel Joffily Ribas
  • Figurino: Lucila Proença
  • Cenário: Patrícia Sada
  • Direção Musical: Marcos Maffei e Marcos Caetano Ribas
  • Intérpretes:  Branca Borba, Carolina Franco, Diana Del Pinho, Kadu Santoro, Rachel Ribas
  • Design Gráfico: Isabel Petri e Daniele Pascoaleto
  • Comunicação e Marketing: Articultura / Arbora
  • Fotos: Giancarlo Mecarelli
  • Assistente de Produção: Flora Petri
  • Aderecistas: Rachel Ribas e Fernanda Macedo
  • Técnico: Michel Worsselmans
  • Produção: Contest Produções Culturais Ltda.

Curtíssima temporada em São Paulo, no Espaço Sobrevento

Rua Coronel Albino Bairão, 42 – Brás  tel. 3399-3589

Dias 4, 5, 6, 11, 12 e 13 de novembro  Sextas às 20 h, sábados às 19:30 e 21 h, domingos às 19 h

Todas as apresentações serão gratuitas

Classificação etária – para maiores de 14 anos

Duração – 60 minutos

A Petrobras é Patrocinadora do Espaço Sobrevento

O Grupo Contadores de Estórias foi fundado em 1971, por Marcos Caetano Ribas e Rachel Joffily Ribas. Sediados em Paraty desde 1981, fundaram o Teatro Espaço em 1985. Neste tempo, a companhia montou 24 espetáculos e já se apresentou em 13 países e 15 estados brasileiros.

 

Teatro Espaço, em Paraty: referência cultural para o mundo.
Marcos Caetano e Rachel Ribas: criadores do Grupo Contadores de Estórias e fundadores do Teatro Espaço. Tudo começou há 40 anos.

Desde as grandes máscaras que compunham os primeiros trabalhos dos Contadores em 1971 até os bailarinos que formaram a companhia nos anos 80/90, passando pelos pequenos bonecos quase vivos que são a marca registrada do grupo, os Contadores de Estórias foram e continuam sendo um grupo dedicado ao estudo, à exploração e à descoberta dentro da linguagem cênica. Por isso mesmo desde 1981 se estabeleceram na pacata cidade histórica de Paraty, onde, sem o burburinho da cidade grande, podem se concentrar no seu trabalho. No entanto, amantes da contradição e do inusitado, mesmo morando em Paraty, nunca deixaram de ser inveterados viajantes e cosmopolitas, pois a partir daí, têm levado seu teatro através do mundo, participando de importantes festivais internacionais, como o Festival de Nancy na França, Festival des Ameriques no Canadá, e o Next Wave Festival do Brooklyn Academy of Music em Nova York, festival que consagrou Bob Wilson e Pina Bausch e que é considerado como a grande meca americana da arte de vanguarda.  Em junho de 2011, o Grupo recebeu o prestigiado Prêmio de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, na categoria teatro.

 

 

Vejam o que a imprensa diz sobre o Grupo Contadores de Estórias.

O Globo

“Retrato singelo de inteligência e prazer”

Nestes tempos de recursos amplificadores de toda natureza – tudo parece querer ser grande, quando não enorme, para os olhos e para os ouvidos – há qualquer coisa de particularmente tocante, comovente, na pequena dimensão e na delicada filigrana do trabalho do grupo Contadores de Estórias, com sede em Paraty porém com mais que conhecido caminho de sucessos por Europa, França e Bahia. “Em Concerto” é diminuto em tudo, menos, é claro, em qualidade.

Barbara Heliodora

 

Jornal do Brasil

“Em Concerto é uma demonstração da qualidade e permanência do grupo Contadores de Estórias.

…é um balanço e a confirmação de um trabalho amadurecido pelo tempo.”

Macksen Luiz

El Norte de Castilla

Lo más subrayable de este trabajo es la verosimilitud que exiben los movimientos de los títeres, desde los gestos de asombro hasta el balanceo de piernas. Una manipulación orgânica, se há dicho, que crea vida más que reflejarla o imitarla. Y también la elección de las historias, nada convencionales, por saber encerrar tanta grandeza em tan mínimas expresiones.

Alfonso Arribas (maio 2010)

The New York Times

By the end of the wordless piece one is left with the eerie sense that the miniature figures are more real than the humans.

Stephen Holden

Los Angeles Times

… the tiniest gesture catches the heart…

Dan Sullivan

 

L’Express

… un petit spectacle merveilleux…

Matthieu Galey

Le Monde

Le public a eté étonné…

Michel Cournot

O Jornal do Brasil

Bonecos de vanguarda. Originalidade e beleza.

Yan Michalski

Folha de S. Paulo

De uma pequena sala de apresentação em Paraty, eles montam espetáculos para o teatro do mundo.

Nelson de Sá

 

 

 

0Shares