João Gilberto: o mito continua vivo

Que os acordes de João Gilberto atravessaram mares a gente já sabia. Mas talvez o lugar onde a reverberação de suas notas atingia a maior potência é certamente o Japão. O país acorda e dorme ao som da música brasileira, da bossa nova e especialmente de João Gilberto. É possível ouvi-lo nas milhares de lojas de conveniência ou no lobby dos hotéis e até mesmo em pequenas hospedarias em rincões mais remotos da área rural. Não raro, brasileiros em viagem ao Japão acham que é uma cortesia do hotel ao saberem que eles estão hospedados. Perdoem-me, não é uma gentileza. João Gilberto e a bossa nova é hoje a trilha musical que embala o Japão inteiro, de norte a sul. 

Apresentação de João Gilberto em Tokyo, 2003. Nesta apresentação, houve um momento em que o público aplaudiu por 20 minutos.

A adoração pela música brasileira por lá não é de agora. Basta ver a história da Latina, uma revista mensal com 67 anos de atividade ininterrupta, dedicada integralmente à música latino-americana, ocupada em grande proporção pela música brasileira. Nem no Brasil temos ou tivemos uma revista com essa periodicidade e tão longeva, sobre a nossa música popular. E lá na Latina, João Gilberto mereceu grandes matérias, como o de suas emblemáticas apresentações em Tokyo. A de 2003, que foi a sua primeira apresentação na capital japonesa recebeu o título de “A Primeira e Milagrosa Apresentação”. A segunda, em 2004 foi épica. João Gilberto cantou 45 músicas e o show teve uma duração inédita na carreira dele: 3 horas e 45 minutos, em grande parte ocupada por longos aplausos. A última apresentação aconteceu em 2006, no Tokyo International Forum, e foi batizada como “O último milagre”. Neste show, João Gilberto cantou 23 músicas. A plateia, ovacionou em pé, por longos 15 minutos. Não teve jeito. João retornou ao palco e cantou a 24ª, 25ª, 26ª música. Ao se retirar do palco, novamente um mar de aplausos. João retornou ao palco mais duas vezes, e foi até a 32ª música, “Garota de Ipanema”, que ele não havia cantado em seus shows anteriores. Quatro apresentações, que foram vistos por 20 mil pessoas, que lotaram todos os assentos disponíveis do Hall A do Tokyo International Forum. 

Foi neste Hall A, da Tokyo International Forum, que João Gilberto se apresentou pela última vez em Tokyo, em 2006. O auditório comporta 5.012 pessoas e teve todos os assentos vendidos em suas 4 apresentações, já muitos meses antes da apresentação.

A gravação deste show foi perfeita e sua versão para o cinema, com um som impecável que captou até os sussuros de João. O lançamento aconteceu em 2019, 13 anos depois, de 8 a 14 de março, durante somente 7 dias. Foi o máximo que a produtora conseguiu com o agente de João. Aqui também, todos os ingressos se esgotaram em minutos, depois que o Bunkamura de Shibuya abriu para a pre-venda. As projeções foram magníficas, com um som cristalino, captado por equipamentos de última geração em matéria de tecnologia sonora. 

Clique na imagem para ver o trailer do filme.

2019 está sendo mesmo um ano marcante para a História da música popular brasileira. João Gilberto morre aos 88 anos, no dia 6 de julho. 

Parece até que foi um pressentimento dos produtores culturais japoneses. O novo filme sobre João Gilberto “João, onde está você?” irá estrear nos cinemas do Japão em agosto, e já se prevê filas colossais uma vez que as vendas antecipadas para as sessões já começaram. Inspirado no livro HO-BA-LA-LÁ – À Procura de João Gilberto, do escritor alemão Marc Fischer, o cineasta francês Georges Gachot decide refazer os passos do autor no Rio de Janeiro em busca do recluso ícone da música brasileira. Com a ajuda de parentes, antigos amigos e conhecidos do criador da lendária batida de violão da Bossa Nova, Gachot tenta desvendar o mistério que envolve sua existência e encontrá-lo para fazer um pedido muito especial. Bem, agora é tarde, mas o mito continua vivo, tanto aqui como no outro lado do mundo. 

Clique na imagem para assistir ao trailer (em japonês).
0Shares