Oficina de comida japonesa caseira com pratos de Okinawa

                                                                         Cozinheira Marlene Fukushima ensina 7 pratos básicos, dos quais 2 são típicos da ilha japonesa

A 6ª edição da Oficina de Comida Caseira Japonesa, com a cozinheira Marlene Fukushima, do buffet Hanayori, vai ensinar 7 receitas no domingo, dia 6 de maio, das 8h às 13h. No cardápio estão gohan (arroz japonês), missoshiru com folhas de mostarda, sunomono (salada vinagrada) de pepino e wakame (alga marinha), peixe cozido com shoyu, berinjela assada e dois pratos típicos de Okinawa: goya chanpuru e a sobremesa sata andagi (bolinho de Okinawa ou bolinho da felicidade).
O goya chanpuru, um refogado à base de carne de porco, tofu e goya, é um dos símbolos da cultura de Okinawa, ilha no extremo sul conhecida por suas praias paradisíacas e uma cultura própria. Foi de Okinawa que chegou o maior contingente de imigrantes japoneses ao Brasil. Para preparar o refogado é usado o shimadoufu (tofu de Okinawa), bem mais firme e mais difícil de desmanchar que o momendofu (o tofu mais firme encontrado nas outras partes do Japão).
Goya champuru, um dos pratos mais típicos da culinária de Okinawa

Conhecido por suas propriedades benéficas, os estudos mais recentes apontam que o goya (melão de São Caetano) ajuda a combater diabetes, câncer e é um dos fatores para a longevidade do povo de Okinawa.

Este é o goya, muito apreciado pelos okinawanos e hoje facilmente encontrado nas mercearias japoneses, e até nas feiras livres em São Paulo.

Sata Andagi (bolinho de Okinawa ou bolinho da felicidade) é a junção das palavras sata (açúcar), anda (óleo) e agi (frito), de acordo com o dialeto local. Trata-se de um bolinho doce e frito, estilo donuts, feita com uma mistura de farinha, açúcar mascavo e ovos, que lembra o nosso bolinho de chuva. A textura desse bolinho é crocante e dourada por fora e macia e leve por dentro.

Sata andagui, parecido com o bolinho de chuva.

Todos são convidados a colocar a mão na massa para preparar os pratos. Mesmo quem não tem experiência pode participar, pois a maioria dos pratos são de nível básico. A Oficina começa às 8h e termina às 13h, com um almoço de confraternização para degustar os pratos preparados. O valor por pessoa é de R$ 310,00.

Desde sua criação, a Oficina de Comida Japonesa Caseira tem a intenção de divulgar a comida do dia a dia dos japoneses, que é o povo que mais vive no mundo graças a alimentação saudável. 

CARDÁPIO DE 7 PRATOS
– Gohan (arroz branco japonês) 
– Missoshiru (sopa de pasta de soja) 
– Sunomono de pepino e wakame (salada avinagrada agridoce)
– Peixe cozido com shoyu (peixe mais fresco que tiver na época)
– Berinjela assada
– Goya champuru (refogado com tofu, carne e melão de São Caetano)
– Sata andagi (bolinho de Okinawa ou bolinho da felicidade).
No final, será oferecido um almoço de confraternização

 
SERVIÇO
6 de maio, das 8h às 13h
Rua 1º de Janeiro, 53 – Vila Clementino (ao lado do metrô Santa Cruz)
Valor: R$ 310 (inclui apostila, ingredientes e almoço)
Inscrições: cursos@kaminaricomunicacao.com.br
Whats App: 11-97130-3335
Ou Sympla: https://www.sympla.com.br/oficina-de-comida-japonesa-caseira__259010 (tem taxa de administração, mas oferece 9 opções de pagamento)

 
62Shares