Dobrando alegrias e tecendo sonhos

Luiza Freire, especial para Jojoscope

Um coração de papel com asas e o desejo de transformar o mundo, ou ao menos a realidade que os cerca, através da gentileza são os princípios que levam o grupo voluntário Dobrando Alegrias a espalhar delicadezas em forma de origami pela cidade de Curitiba. Com a idealização de Lina Saheki (diretora do Centro Cultural Tomodachi – Centro Ásia), há dois anos o grupo se reúne para distribuir sorrisos e ensinar origamis a pacientes de seis hospitais da capital.

Dobrando alegrias
Dobrando alegrias

dobrandoalegrias2O projeto nasceu da vontade de transformar a dor e angústia da hospitalização em possibilidade, superação e afeto. Os voluntários do projeto percorrem os quartos dos hospitais ensinando aos pacientes a arte milenar japonesa da dobradura. Um trabalho que perpassa a questão assistencialista e coloca os pacientes na posição de sujeitos ativos, que apesar dos limites provocados pela doença, podem produzir e transmitir alegrias a quem desejarem (familiares, enfermeiros, amigos, etc.) A condição do ensino do origami é que o paciente após a visita dos voluntários presenteie com outros origamis feitos por eles aos seus e multiplique assim a ideia da ternura. Trazer à tona o sentido de humanidade ao ambiente hospitalar e colorir os corredores com estas pequenas obras de arte são, sem dúvida, alguns dos elementos do sucesso do projeto Dobrando Alegrias.

Foto: Giuliano Gomes PROJETO DOBRANDO ALEGRIAS - Voluntários do Projeto Dobrano Alegrias, Lina Saneki - idealizadora do projeto, Fatíma Carvalho - voluntária adulta,Tomaz Yamada - voluntário, Larissa Monteiro - voluntária, jovem visitam pacientes no Hospital de Clínicas/UFPR - Taiza Lepechak , paciente no Hospital de Clínicas
PROJETO DOBRANDO ALEGRIAS – Voluntários do Projeto Dobrano Alegrias, Lina Saneki – idealizadora do projeto, Fatíma Carvalho – voluntária adulta,Tomaz Yamada – voluntário, Larissa Monteiro – voluntária, jovem visitam pacientes no Hospital de Clínicas/UFPR – Taiza Lepechak , paciente no Hospital de Clínicas Foto: Giuliano Gomes
Voluntários do Projeto Dobrano Alegrias, visitam pacientes no Hospital de Clínicas/UFPR - Taiza Lepechak , paciente no Hospital de Clínicas, e Lina Saneki Foto: Giuliano Gomes
Voluntários do Projeto Dobrano Alegrias, visitam pacientes no Hospital de Clínicas/UFPR – Taiza Lepechak , paciente no Hospital de Clínicas, e Lina Saneki Foto: Giuliano Gomes

Outra ação do projeto são os dias temáticos, os voluntários vão as ruas para entregar origamis, confeccionados por eles em mutirões na sede do grupo, aos passantes. Com sorrisos nos rostos e desejando um bom dia da “Gentileza” ou da “Felicidade” materializam os bons sentimentos neste gesto. Assista um dos registros da ação “Dia da Gentileza”, com relatos dos voluntários sobre a entrega dos mil corações de origami:

Atualmente o projeto conta com sessenta voluntários e tem planos para a expansão do atendimento em outros hospitais de Curitiba e Itajaí (SC). Em São Paulo existem grupos de voluntários ligados ao projeto que efetivarão o dia da Gentileza na cidade e o projeto está aberto a novas parcerias com hospitais em outras cidades e estados do país. As reuniões para adesão de novos interessados (voluntários) ocorrem periodicamente na sede do projeto.

Voluntários do Projeto Dobrano Alegrias, visitam pacientes no Hospital de Clínicas/UFPR -  Hygor da Silva, paciente no Hospital de Clínicas, Larissa Monteiro - voluntária Foto: Giuliano Gomes
Voluntários do Projeto Dobrano Alegrias, visitam pacientes no Hospital de Clínicas/UFPR – Hygor da Silva, paciente no Hospital de Clínicas, Larissa Monteiro – voluntária Foto: Giuliano Gomes

Conheça um pouco mais desse projeto que iniciou como um sonho e que hoje ganha asas pelo mundo.

 Dobrando Alegrias

Endereço: Rua Marechal Deodoro, nº1418 Centro    Curitiba – Paraná

Site: http://www.dobrandoalegrias.org.br

Informações: dobrandoalegrias@gmail.com

Telefone: (41) 3022-3477

Luiza Freire

Luiza Freire é pesquisadora e professora universitária. Estudiosa da cultura japonesa desde criancinha gosta de bater um bom papo sobre gastronomia e cultura oriental. Colabora periodicamente com Jojoscope. Veja outras matérias de Luiza Freire especial para Jojoscope:

Os Andes com toques nipônicos

Mangá: Um universo ao seu alcance

0Shares