Imagens oníricas de Miwa

Assistir uma performance de Miwa Matreyek é transformar um momento em algo inesquecível para a vida inteira, como diz Léa Zagury, uma das curadoras do Anima Mundi.

Miwa Matreyek, photo by Colin Young-Wolff

Miwa Matreyek é uma artista multimídia que cria atmosferas encantadoras e oníricas com suas performances. Em Mito e Infraestrutura (2010), que será apresentada nesta edição do festival, Miwa aparece atrás de uma tela sobre a qual camadas de animação são projetadas. Sua silhueta integra-se com precisão ao espaço cênico composto pelos elementos animados que aos poucos vão aparecendo na tela. A artista vira uma ilha sobre a qual se desenrolam cenas que remetem à ancestralidade do homem. Em seguida, ela caminha vagarosamente entre prédios iluminados. A paisagem urbana aparentemente realista ganha contornos fantásticos quando balões coloridos e peixes azuis preenchem o céu, e uma chuva de cerejas cai sobre a cidade. Miwa dissolve os limites entre o que é real e ilusório, criando uma constelação multidimensional de cores, formas e movimento.

Tudo começou na CalArts, onde Miwa fez mestrado em Animação Experimental e apresentou como projeto final a performance Dreaming of Lucid Living (2007), descrita por ela como “uma investigação sobre a interação entre sombras, animação, espaços domésticos, cidades pequenas e grandes, e poderes mágicos”. Parece mágica mesmo quando ela faz surgir, com um gesto, elementos tão diferentes como o fogo nas velas de um bolo, as ondas do mar ou uma janela na barriga.

Além de realizar animações como freelancer, Miwa faz parte do grupo colaborativo de performances Cloud Eye Control, com mais dois artistas formados na CalArts, que também trabalham na fronteira entre a animação e a performance/instalação. A trilha original de Mito e Infraestrutura foi criada por Anna Oxygen – uma das integrantes do grupo -, em parceria com Carline Lufkin, e Mirah.

Mito e Infraestrutura de: Miwa Matreyek

música: Anna Oxygen; Carline Lufkin; Mirah

Ao andar por trás da tela, a sombra de Miwa Matreyek se torna parte integral da animação projetada. Ela se dobra para se transformar numa ilha, num quadro de mitologia da criação. Ela caminha suavemente por uma paisagem urbana adormecida; suas mãos criam fios mágicos de luz ao invocar cenas domésticas em sombra e vídeo.

As apresentações no Rio terminam hoje, domingo.

EmSão Paulo :

  • Qua 27 – 18h30 / 19h30
  • Qui 28 – 18h30 / 19h30
  • Sex 29 – 18h30 / 19h30 / 20h30

Local: Memorial da América Latina

Entrada Gratuita – Livre para todos os públicos

Aqui você assiste um trecho da  performance, mas nada substitui a apresentação ao vivo!

0Shares